CÉREBRO REPTILIANO: O QUANTO ELE TE INFLUENCIA?

Há 150 mil anos, no leste da África, já existiam homo sapiens. Os seres humanos, apesar de serem idênticos a nós, eram insignificantes.

https://administradores.com.br/artigos/o-cerebro-reptiliano

A raça humana pode ter chegado à beira da extinção há cerca de 70 mil anos.

Há 70 mil anos, havia apenas dois mil seres humanos lutando pela sobrevivência, vulneráveis a doenças, desastres naturais e conflitos.

“Acredita-se que humanos e chimpanzés se separaram a partir de um ancestral em comum há cerca de 5 ou 6 milhões de anos, tempo mais que suficiente para que diferenças genéticas fossem desenvolvidas.”

Todos os quase 7 bilhões dos habitantes do nosso planeta, hoje, são descendentes desses seres humanos que sobreviveram a um dos ambientes mais perigosos, violentos e difíceis.

TUDO na savana africana queria nos matar, desde os predadores óbvios localizados em tudo e  em todos os lugares até os que habitavam a terra e o ar.

Diante desse cenário, nossos ancestrais foram especiais, tiveram que ser criativos, inovadores, ter garra, capacidade de aprender, cair e levantar mais forte e enxergar oportunidades em todas as situações.

Nós humanos, conseguimos nos destacar e prevalecermos diante do outros animais, porque possuímos além do cérebro reptiliano, o límbico e o neocórtex.

A parte mais primitiva do cérebro surgiu com os répteis há cerca de trezentos milhões de anos, evoluiu com os mamíferos e atingiu seu esplendor nos humanos.

“O cérebro é como uma cebola que, a medida que se desenvolve, novas camadas vão surgindo e sua complexidade vai aumentando”

O neurocientista Paul McLean, desenvolveu a teoria do cérebro trino.

https://coaching4u.wordpress.com/2018/09/21/o-seu-cerebro-reptiliano-esta-limitando-o-seu-potencial/

A primeira camada seria o cérebro reptiliano ou instintivo, que promove reflexos simples.

Localizado no topo da espinha dorsal, este órgão é quem define as regras de nossa sobrevivência imediata e sensações primárias como fome, sede, sono, respirar, bater o coração, manter a pressão, temperatura e LUTAR OU FUGIR.

a denominação reptiliano usada por McLean é considerada defasada e não é mais utilizada atualmente na neurociência. Apesar de ter se tornado popular, não é mais a forma corrente de se referir ao tronco cerebral.

Esta estrutura se limitaria a executar condutas simples e impulsivas que mais se parecem com hábitos, que sempre se repetem do mesmo modo, como nos casos em que sentimos medo, tédio.

Sendo assim, podemos entender como uma parte do sistema nervoso que se limita a executar códigos programados geneticamente quando são dadas as condições adequadas.

Podemos interpretar que vivemos por milênios pelo instinto de lutar ou fugir, uma dimensão primitiva irracional, que influencia nosso comportamento e que ao longo da nossa existência fomos nos aperfeiçoando.

https://nutriselmamds.wordpress.com/2013/03/13/estresse-lutar-ou-fugir/

O cérebro reptiliano não aprende com seus erros, não tem capacidade de sentir e nem de pensar, sua função é a de atuar, toda vez que agimos sem pensar, tenha certeza que o reptiliano está no comando.

Nossas reações reptilianas são automáticas, extremamente rápidas, voltadas para sobrevivência, egoístas, hiper focadas e hiper vigilantes no perigo iminente

Precisamos evitar que as ações do nosso cérebro reptiliano dominem nosso comportamento.

Quando o cérebro reptiliano é hiper ativado, ficamos ansiosos com pensamentos futuros ou deprimidos com lembranças do passado.

Lembre-se, nosso cérebro reptiliano não distingue situações reais de situações imaginárias.

“PENSE NISSO: PELO FATO DE PARTE DE EXPERIÊNCIAS RUINS SEREM GRAVADAS EM ÁREAS AUTOMÁTICAS, ELAS SE TORNAM EM GRANDE PARTE INCONSCIENTE. COMO VIVEMOS MAIOR PARTE DO NOSSO TEMPO LIGADOS NO CÉREBRO AUTOMÁTICO INCONSCIENTE, SE NÃO PARARMOS PARA RESPIRAR E PRESTAR ATENÇÃO EM NOSSAS VIDAS, NÃO TOMAREMOS CONSCIÊNCIA QUE NOSSAS PREOCUPAÇÕES NEM SEMPRE SÃO REAIS”

Sob o domínio do nosso cérebro reptiliano perdemos a capacidade de enxergar nossa vida real e somos apresentados a uma vida imaginária, muito pior do que os fatos reais.

Somos dominados pelo MEDO, RUMINAÇÃO, BAIXA AUTOESTIMA, SOFRIMENTO, DÚVIDA, ANGÚSTIA, ANSIEDADE, MÁGOA, RAIVA, RANCOR…..

E qual é o segredo? INTELIGÊNCIA EMOCIONAL!

https://fia.com.br/blog/inteligencia-emocional/

Entendermos nossas emoções é o SEGREDO.  Ou seja, atuar com o cérebro Límbico, responsável por controlar nosso comportamento emocional, que também é a sede de nossa espiritualidade, fé, amor, perdão, solidariedade, esperança, empatia, alegria, reverência e gratidão.

E pelo Neocórtex, responsável por desenvolver o pensamento abstrato e tem capacidade de inovação, região lógica e inteligente do cérebro.

“Por baixo do nosso cérebro superpoderoso e consciente, temos um animalzinho assustado, emocional e instintivo.”

E como fazemos para domesticarmos o nosso cérebro reptiliano? …

https://www.bbc.com/portuguese/ciencia/030609_extincaoir.shtml

https://psicologiaymente.com/neurociencias/modelo-3-cerebros-reptiliano-limbico-neocortex

https://www.oreporterregional.com.br/noticia/1506/cerebro-reptiliano

https://medium.com/@talesgubes/voc%C3%AA-tem-uma-op%C3%A7%C3%A3o-al%C3%A9m-de-lutar-ou-fugir-13e88dcdbce2

Deixe uma resposta