O QUE É AUTOESTIMA?

Nossa AUTOESTIMA não deve ser um troféu, dado por alguém, devemos tê-la e desenvolvê-la de dentro para fora.

https://lamenteesmaravillosa.com/3-tipos-de-autoestima/

Scott Barry Kaufman descobriu que a autoestima deve ser baseada em dois pilares:

Self-worth – Are you a fundamentally good person with social value in this world?

mastery – are you an intentional being who can bring about your desired goals by exercising your wil?

Desenvolvemos naturalmente nossa autoestima quando acreditamos que somos capazes de alcançar nossas metas e termos o senso que somos uma pessoa útil para/no mundo que nos rodeia.

Lembre-se, quanto mais sucesso tivermos ao conquistarmos nossas metas, mais confiantes nos sentiremos, e essa sequência tende a ser um espiral de satisfação.

A satisfação ocorre quando acreditamos que podemos alcançar nossas metas desejadas.

Devemos inicialmente nos basear em nosso passado, nos erros e acertos, quando nos conscientizarmos de nosso esforço, podemos ponderar onde devemos nos superar e progredirmos.

Devemos nos esforçar diariamente para melhorarmos no dia após dia.

E mais, quando seguimos em frente, não mudamos apenas nossas vidas, mas também a de todos os que nos rodeiam.

Você se trata bem quando tem problemas?

Geralmente nossas reações são decorrentes do que profundamente acreditamos que somos e das nossas responsabilidades.

Ocorre que, muitos de nós acreditam que as consequências de nossos resultados ocorrerão por fatores externos, que estão além do nosso controle, então, agimos como se a responsabilidade por nossos atos fosse culpa de outro alguém.

Quando assumimos responsabilidade por nossos atos podemos nos responsabilizar mais do que deveríamos e nos sacrificarmos excessivamente, não reconhecendo nossas próprias necessidades como legítimas, levando ao extremo, o que pode levar a depressão, ansiedade, ressentimento, queimação e crítica interna.

Ao passo que quando não assumimos qualquer responsabilidade por nossos atos, nos tornamos uma pessoa totalmente desatenta ao impacto negativo que podemos ocasionar a todos a nossa volta. Com tais atitudes, nos tornamos aquele tipo de pessoa que se machuca e machuca todos a nossa volta.

VOCÊ SUPERESTIMA OU SUBESTIMA SEUS SENTIMENTOS?

Quando você telefona e seu amigo não te atende. Ao pensar que ele não gosta de você, que ninguém quer ser seu amigo, muito provavelmente você estará superestimando um sentimento.

Devemos lembrar que rejeições acontecem a todos, não importando quem você seja. A verdadeira razão pelo qual nos sentimos tão mal com a rejeição é porque validamos nossas piores crenças sobre nós mesmos.

É da natureza humana querer ser aceito, porém temos que aceitar que nem todos gostarão da gente ou poderão estar por perto todo os momentos que queremos ou gostaríamos.

Quanto mais cedo aceitarmos que não somos o centro do universo e que a rejeição é inevitável, mais cedo aceitaremos a não viver no extremo.

Lembre-se, quanto mais tempo acreditarmos que não somos bons o bastante, seguiremos temendo a rejeição.

Ainda, quando tememos a rejeição entramos no modo de proteção e evitamos a qualquer custo sermos machucados, o que nos impede de nos conectarmos profundamente com as pessoas.  

Ao passo que quando algum amigo nos elogia e retribuímos com “não foi nada”, estaremos nos subestimando.

Nos subestimamos por falta de confiança, já que é mais confortável, como uma desculpa para não precisarmos nos esforçar para chegar onde poderíamos chegar, talvez essa desculpa seja inconsciente baseada em crenças limitantes, mas não deixa de sê-la.

1 – Lembre-se das vitórias que você já teve na vida;

2- Pense com positividade e otimismo;

3 – Ignore os olhares críticos;

4 – Prove que você pode;

5 – Mantenha o foco no objetivo;

6 – Tenha em mente que errar faz parte do processo;

7 – Saiba que ninguém é perfeito;

8 – Não se compare ao outro;

9 – Compare ao que você era ontem;  

Geralmente superestimamos a negatividade e subestimamos nossas habilidades.

Cuidado com os extremos, devemos ser gentis conosco e sempre evitarmos os extremos.

Quando estivermos nos preocupando demais, pensando demais, reclamando demais, normalmente é um sinal de que estamos vendo o mundo através dos extremos da autorresponsabilidade, ou da falta dela, ou ainda super ou subestimando nossos sentimentos.

Tome sempre cuidado com seus pensamentos, e não deixe que ele reflita em seus sentimentos, sempre importante lembrar que nosso corpo fala e nos mostra quando estamos certos ou errados.

Join me on my personal journey to better myself in many different aspects of life. I pride myself on being authentic and vulnerable, teaching myself and others about achieving goals while building confidence and self-esteem. Done through my own personal learnings and mistakes 😉

Love, Kristyn

(the human behind A Human In Training)

https://worthyinside.com/are-you-kind-to-yourself-while-having-problems/

http://psicoeduca.com.br/cotidiano/96-o-que-significa-subestimar-alguem-ou-a-si-mesmo

Deixe uma resposta